Em conversa com Marcia Maposse

Márcia Maposse é uma empresária do agronegócio que possui um bacharelado em Engenharia Agronômica. Ela é proprietária de uma empresa chamada Bindzu Agrobusiness e Consultoria Lda, que opera uma cadeia de valor agrícola em Moçambique. Sua aspiração é tornar-se um empresária do agronegócio bem reconhecida e influente, que vincula agricultores a mercados e transferir tecnologia para agricultores.

Você pode compartilhar sua história conosco?

Na minha infância, eu sempre participei de actividades agrícolas com minha família. Desde então, o objectivo da minha vida tem sido transformar a agricultura em actividades comerciais em Moçambique. Após a faculdade, três ex-colegas de classe e eu decidimos criar uma empresa de agronegócio chamada Bindzu Agrobusiness e Consultoria Lda. Inicialmente, a Bindzu foi dedicado à produção e comercialização de vegetais. No entanto, com o tempo, Bindzu denotou algumas deficiências na cadeia de valor agrícola, que, se abordadas, poderiam melhorar positivamente seu desempenho. Percebemos que para melhorar os pequenos agricultores, dois aspectos eram vitais: fornecimento de insumos e aconselhamento.

Quem você acha que são as mulheres mais influentes na agricultura – passado ou presente?

Na verdade, as mulheres mais influentes na agricultura são Maria Isabel Andrade.

Que desafios pessoais você encontrou como mulher na AG? Como você os superou?

Meu maior obstáculo foi superar o estereótipo de que “a agricultura em Moçambique é para idosos pobres”. Quando os agricultores viram jovens profissionais da agricultura, ficaram céticos, imaginando o que essas jovens urbanas estavam fazendo para cultivar. Os agricultores vizinhos continuaram testando a mim e aos meus colegas e assistindo o que estávamos fazendo. Felizmente, acabou sendo uma boa oportunidade para expor nossas inovações. Eles ficaram impressionados com nossas técnicas, conhecimentos e ideias. Então, meu conhecimento foi capaz de superar esse obstáculo.

De quais comunidades você recebe mais apoio e o que aprendeu delas que é mais valioso para você.

Recebi o maior apoio da Associação de Agricultores de Moamba. Depois de ver meu trabalho e vontade de contribuir para melhorar o desempenho da agricultura, apoiaram minha empresa contratando os serviços que prestamos e também nos recomendaram a diferentes partes interessadas.

Onde você se vê daqui a cinco, dez e vinte anos e como espera chegar lá?

Eu imagino melhorar o ambiente propício para um melhor desempenho no valor agregado e no padrão de qualidade dos produtos agrícolas. Actualmente, não há especialização nos segmentos da cadeia de valor. Os agricultores estão envolvidos em todas as actividades, resultando em ineficiências e perdas. Um bom ambiente do agronegócio permitirá que os agricultores melhorem sua segurança e renda alimentar, criando consequentemente incentivos para que outros operadores especializados do agronegócio entrem no mercado. Actualmente, estou envolvida em programas e projectos que buscam: melhorar a renda dos produtores e estabelecer centros de serviços; e diálogos abertos entre partes interessadas agrícolas públicas e privadas.

Que conselho você daria para jovens mulheres interessadas em agricultura? Ou qual o melhor conselho que você recebeu de alguém?

O melhor conselho que recebi de alguém foi de nunca desistir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *